sexta-feira, 11 de agosto de 2017

Qual a origem de todas as coisas?


  “De onde viemos”? “O Universo foi criado ou sempre existiu”? ”Qual a origem de todas as coisas”? “Como podemos ter certeza de que o que conhecemos é a verdade”? “Qual a melhor maneira de viver”? Perguntas como estas são feitas por qualquer um, são universais, não importa o grau de instrução, raça, idade ou, até mesmo, local de origem. Meu palpite é que você também já pensou sobre estas perguntas. Mas será que o Cristianismo responde a estas grandes questões da humanidade? É pensando em uma destas questões que escrevo este texto, mas não com a minha interpretação, baseio o texto nos escritos de Francis Schaeffer. A Pergunta que respondemos neste texto é: ”Qual a origem de todas as coisas”?


Para o referido autor existem três respostas para esta pergunta, são elas: 
  • ·         Tudo se origina do nada;
O erro que Schaeffer observa neste pensamento é que sempre que dizemos que tudo vem do nada, este “nada” já é alguma coisa e não “nada” realmente. O nada é ausência de ser, mas aqueles que defendem esta posição costumam chamar de “nada” alguma coisa. Geralmente este “nada” é o que chamamos de vácuo quântico – uma flutuação de energia que produz matéria- mas, se alguém o considerar como “nada”, se constituirá uma contradição – como já foi dito acima – para o autor.
  •              Tudo possui uma origem impessoal;
Existem dois problemas que esta resposta desconsidera. A origem impessoal não explica a complexidade da vida e do universo, como também deixa de responder a pessoalidade humana (o que distingue o homem do restante da criação). Como pode o homem ser pessoal se teve uma origem impessoal? Como pode o impessoal gerar o pessoal? Como podem leis naturais gerar complexidade se o processo não é guiado por qualquer ser pessoal? As duas únicas respostas decentes para estas perguntas são: a) Necessidade Física: diz que era necessário que existisse complexidade, tal qual é necessário que existam leis naturais. Este pensamento cai por terra quando entendemos que as leis da natureza não implicam uma necessidade física. b) Acaso: diz que a pessoalidade  e a complexidade são frutos de um processo sem propósito algum que demorou tempo suficiente para que o acaso consiga os fazer nascer. Ideia estranha, não é? Bem, a minha resposta é que ela é improvável. Assim, a origem impessoal não explica a complexidade nem mesmo a pessoalidade humana.
  •              Tudo possui uma origem pessoal;
Esta parece ser a melhor posição, já que responde muito bem a complexidade do Universo e a pessoalidade humana. Uma causa pessoal parece ser mais verdadeira que uma impessoal. Mas esta causa deve ser infinita e independente do Universo causado. O Cristianismo responderia que esta causa é Deus. Sabemos que o Deus cristão é infinito, mas como poderíamos demonstrar que Ele independe do mundo? É neste ponto que Schaeffer recorre à trindade. No Cristianismo a concepção de Deus é bastante sofisticada, onde Ele é dividido em três pessoas que se amam e se amavam antes da criação do mundo (Deus é só um que se divide em três pessoas). Deus não dependia do mundo para ser amado, Ele já era amado antes da criação do Universo e do homem. É por estes motivos – Deus ser pessoal,  infinito e independente do mundo – que Deus é a melhor explicação para a origem do Universo.
Assim, pode-se concluir que Deus existe – visto que é a melhor explicação para o problema exposto (a origem de todas as coisas) e como tal, existe por necessidade – e que não está em silêncio, pois comunicou a sua existência a nós, como também os seus atributos. O Deus pessoal, infinito e independente fala conosco.
Caio Peclat da Silva Paula

terça-feira, 1 de agosto de 2017

Compre Meus Livros

Esse post será atualizado conforme novas publicações vão sendo feitas.

Título: A Gênese em Gênesis: Uma Refutação Bíblica do Criacionismo de Terra Jovem
Autor: Felipe Soares Forti
Páginas: 104
Editora: Clube dos Autores
Ano: 2017

Compre aqui o livro 'A Gênese em Gênesis'



Sinopse: A questão da idade da criação é algo que me assombra desde a minha conversão. Acredito que os cristãos não têm dado a devida atenção a esse tema. Ele pode ser irrelevante para a salvação, mas é de extrema importância para a questão da veracidade das Escrituras Sagradas. Alguns cristãos são curiosos com relação a esse tema, enquanto outros negligenciam completamente. Quando eu estava na Igreja Adventista do Sétimo Dia esse foi um dos tópicos que mais me chamavam a atenção. Passei pouco mais de um ano estudando apenas esse tema. Talvez no meio acadêmico esse tempo seja muito curto. Mas senti a importância de compartilhar minhas conclusões com os outros e demonstrar, com base apenas na Bíblia, que ela não fala quase nada sobre a idade da criação. Se o leitor quiser continuar crendo que a criação possui 6.000 anos após a leitura, não há problema. Meu propósito não é convencer de forma cientifica. Porém, se ele quiser afirmar isso com base na Bíblia, encontrará sérios desafios nas páginas que aqui se encontram.