sábado, 28 de novembro de 2015

Resposta ao "quadrinho" do "Em Nome do Troll"


Ateus realmente não entendem bulhufas sobre Deus e como Ele age. Enfim, é simples: Pessoas são livres e é logicamente impossível criar seres livres, sem a capacidade de fazer escolher. Deus também pode ter razões morais o suficiente para permitir que o mal aconteça. O ateu tem que mostrar que é logicamente impossível que Deus, um ser que ve o futuro e todas as possibilidades, tenha uma razão moral para permitir o mal. Alem disso, dizer que "crimes" e o "nazismo" são moralmente errados é dizer que existe um jeito certo de se viver. Se existe um jeito certo - uma forma como as coisas deveriam ser - então existe uma Lei Moral. E se existe essa Lei, então existe um Legislador moral. 
De fato, dizer que Deus age de forma errada pressupõe que haja uma forma certa, o que pressupõe que haja uma Lei Moral, o que implica em um Legislador. Mas, nesse caso, esse Legislador teria que ser maior do que Deus. Porem, como Santo Anselmo colocou, Deus tem que ser o maior ser possível, se não alguém poderia ser maior do que Ele e então esse ser maior seria Deus. Portanto, Deus age da forma certa, e o seu julgamento é que é errado.
Peter Van Inwagen diz:

“Costumava ser muito dito que o mal era incompatível com a existência de Deus. Que nenhum mundo possível poderia conter tanto Deus quanto o mal. Até onde posso dizer, essa tese não é mais defendida.” [Peter Van Inwagen, “The Problem of Evil, the Problem of Air, and the Problem of Silence”, em Philosophical Perspectives, vol. 5: Philosophy of Religion, p. 135.]

E William Alston que foi um professor emérito de filosofia da Universidade de Syracuse, conclui:

“O esforço para demonstrar que o mal refuta Deus é agora reconhecido em quase todas as áreas da filosofia como completamente falido” [William Alston, “The Inductive Argument from Evil and the Human Cognitive Condition”, em Philosophical Perspectives, vol. 5: Philosophy of Religion, p. 29]

Por fim, a passagem no Egito tem um significado mais importante. Não apenas Deus livra o Seu povo, mas isso mostra que, no futuro, Deus livrará a Igreja do mal que a persegue. Alem disso, Deus não tem obrigação nenhuma de agir da mesma forma com todos. Como dito acima, Deus pode muito bem ter razões morais o suficiente para permitir que algumas coisas aconteçam.
Em suma, esse é mais um lixo ateísta... (Eu escrevi uma longa resposta ao problema do mal que pode ser lida clicando aqui.)

domingo, 22 de novembro de 2015

Podemos tratar religiões como times de futebol?


A resposta simples para a pergunta do titulo é... não. E se você parar pra pensar cinco minutos nisso, sem o preconceito pré-existente de “Ai que coisa chata”, você verá que é verdade.
Todas as religiões fazem uma afirmação sobre como a realidade é. Você não pode simplesmente pegar uma “opção de realidade” e dizer “essa é minha realidade”. A verdade é a verdade, não importa como você se sinta ou pense.
A pergunta que temos que fazer é: Qual é a Verdade? O budismo clama que existe uma Lei Moral, porem sem Legislador. O Cristianismo diz que existe um Criador do Universo e um Legislados moral. O Ateísmo (embora não seja oficialmente uma religião, é uma visão de mundo) ensina que não existe legislador e, portanto, como disse Dostoyevsky, tudo é permitido.
É logicamente impossível que as três visões de mundo sejam verdade. “É a minha verdade”, pode ser uma mentira. Não se pode simplesmente sentar e torcer pra sua visão de mundo ser verdadeira.
O erro do relativismo vem, não apenas de sua impossibilidade, mas de sua hipocrisia. Pessoas são relativistas apenas quando se trata de religião e moralidade. Mas quando o medico diz “você tem câncer”, ninguém responde dizendo “isso é verdade pra você, mas não pra mim”.
Alem disso, toda a ideia do relativismo é auto-refutável. “Não existe verdade absoluta”, é em si mesma uma afirmação de verdade absoluta. “Não podemos conhecer a verdade”, é em si mesmo uma afirmação de conhecimento da verdade. Se você aplicar a afirmação a si mesma, você pode responder, “e isso, é verdade?”
Para conhecer a verdade, temos que ver qual visão de mundo explica melhor a realidade em que vivemos. Qual visão de mundo explica melhor:
- O ajuste fino da nossa galáxia
- O ajuste fino do nosso planeta

Todas essas são questões que todas as visões de mundo devem responder. E não basta simplesmente sentar e dizer “Bom, não posso saber a verdade, então vou escolher a que mais me traz conforto.” De fato, ai mora outro perigo. Se você diz “vou adorar a Deus da minha maneira”, você não esta adorando a Deus. Esta se adorando. Sua preocupação é com sigo mesmo e com seu conforto.
Alguém pode objetar dizendo, “ok, se o cristianismo é a verdade, então qual denominação é verdadeira?” A resposta é simples: Se o Cristianismo for verdade, então a verdade é aquilo que C. S. Lewis chamou de “Cristianismo Puro e Simples”: Existe um Deus, que é uma Trindade. Esse Deus veio a Terra como Jesus Cristo e morreu por nossos pecados. Jesus disse, “Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida.” Não que discordâncias em teologia era o mais importante. Questões teológicas são importantes, e são debatidas (afinal, não podem estar certos dois pontos de vista diferentes). Mas o principal é o “Cristianismo Puro e Simples”. Não a denominação ou a teologia. (Embora, eu te diria pra se afastar de Espiritismo, Igreja Universal e Seitas bizarras, como as Testemunhas de Jeová.)

quinta-feira, 19 de novembro de 2015

A Existência de Deus #19 - O Argumento do Design Inteligente Biológico


A similaridade entre o mundo biológico com os projetos mais complexos criados pelo ser humano sempre fizeram as pessoas pensar na possibilidade de um designer criador. No século 19 uma proposta de explicação natural foi proposta, conhecida como evolução darwinista.
Apesar de eu não achar que a evolução exclua Deus, é evidente que os ateus usam a evolução para tentar argumentar que Deus não existe (apesar de, como eu disse, não ter nada a ver).
No entanto, existe uma serie de argumentos científicos que demonstram que a melhor explicação para a aparência de design biológico é, de fato, que há um Designer Criador dos seres vivos.
No texto a seguir, vamos explorar o que chama-se Argumento Teleológico Biológico ou Argumento do Design Inteligente, que tenta mostrar justamente isso: A melhor explicação para as “maquinas biológicas” e para a informação no DNA é a de que há um Designer Inteligente.

terça-feira, 17 de novembro de 2015

Respondendo Comentários #6 - Os Dez Mandamentos e o Protestantismo


E... aqui vamos nós... O leitor (e pastor Adventista) A. G. Brito comentou no meu texto “A Lei do Sábado ainda é exigida aos Cristãos?”:

Os cristãos protestantes/evangélicos SEMPRE ensinaram que o sábado é preceito MORAL, derivado na criação do mundo. Daí, precisam convencer luteranos, presbiterianos, batistas, metodistas, congregaconais a alterarem seus documento oficiais de SÉCULOS que ensinam isso, como a Confissão de Fé de Westminster, de 1647, a Confissão de Fé Batista de 1689, Os 39 Artigos de Religião anglicanos (art. 7--admitindo a divisão de Lei Moral/Lei cerimonial), os 25 Artigos de Religião Metodistas (art. 6-idem do 7 do documento anglicano).
E eruditos dessas Igrejas ao longo dos séculos, como o metodista Adam Clarke, o presbiteriano Albert Barnes, os batistas Jamieson, Fausset e Brown, mais recentemente Billy Graham e tantos, o pastor reformado e conferencista Heber Campos Jr., todos eles confirmam: os mandamentos da Lei Moral de Deus são DEZ (e não NOVE). A "Bíblia de Estudo e Aplicação Pessoal' da CPAD diz claramente:

"“Será que as leis de Deus observadas pelos israelitas servem para os cristãos? As leis foram designadas para guiar todas as pessoas a um estilo de vida saudável, justo e voltado para Deus. Seu propósito é apontar o pecado e mostrar a maneira correta de lidar com ele. OS DEZ MANDAMENTOS SE APLICAM HOJE ASSIM COMO SE APLICAVAM HÁ TRÊS MIL ANOS, POIS PROCLAMAM UM ESTILO DE VIDA ESTABELECIDO POR DEUS. SÃO A PERFEITA EXPRESSÃO DA PESSOA DE DEUS E COMO ELE DESEJA COMO O POVO VIVA”. – “Bíblia de Estudo e Aplicação Pessoal” (CPAD—Casa Publicadora das Assembléias de Deus), pág. 237 (destaque meu).

Quanto às falsas alegações acima, o de que Ellen White declarou que a salvação depende da guarda do sábado é MENTIROSA, descontextualizada, como demonstramos documentadamente num proveitoso debate que tivemos com um pastor batista, no seu blog, como podem ver por este endereço:
Ah sim, e para verem qual é a Igreja que conserva, em pelo menos CINCO pontos doutrinários importantíssimos, o que constitui o mais legítimo entendimento protestante/evangélico de temas polêmicos no evangelicalismo moderno, vejam como é neste vídeo apresentada a questão:
(o vídeo apresenta pequenos problemas de som nos primeiros minutos, mas permite perfeitamente que se acompanhe a questão até o fim):

Comentemos por partes.

domingo, 15 de novembro de 2015

Quando você não entende o argumento moral

Feito no Paint com muito amor.

Ao longo do tempo, podemos dividir o mundo em duas pessoas: As que entendem o argumento moral e as que não entendem, mas acham que entendem. Isso é extremamente comum, dado o mundo relativista em que vivemos. Porem, como o relativismo é monstruosamente falso e a ideia mais imbecil que alguém poderia ter pensado, vamos esclarecer o que o argumento moral realmente diz.

sexta-feira, 6 de novembro de 2015

Os Pilares da Ciência - Sumário



Agora eu completei minha serie sobre os Pilares da Ciência. Meu objetivo foi analisar por que a Ciência é um método tão efetivo para descobrir novas verdades sobre o mundo. Aqui estão os 6 “Pilares” que eu identifiquei. É claro, Ciência é uma palavra multifacetada: ela pode se referir a um método, a um conjunto de teorias, ou a comunidade. Entendendo como a Ciência funciona realmente requer pensar sobre todos os 3 juntos.

Introdução:


A. Como nós testamos ideias cientificas?



B. Que tipos de ideias podem ser testadas cientificamente?



C. Quem pode testa-las efetivamente?




Traduzido de: Aron Wall, "Undivided Looking", "Pillars of Science: Summary and Questions"

quinta-feira, 5 de novembro de 2015

1 Pedro 3:15 nos ordena a fazer apologética ou não? - Resposta a objeção do "contexto histórico"


(Eu ja havia postado isso em outro texto. Mas resolvi postar um texto só com esse tema.)
Um pastor amigo meu levantou essa objeção dizendo que 1 Pedro 3:15 é usado totalmente fora de contexto histórico para justificar a ordem bíblica de apologética. 
Agora, eu tenho minhas duvidas quanto a isso, mas normalmente quem usa esse argumento contra o uso da “razão para a esperança que há em nós” aponta que, no contexto histórico, os Cristãos estavam sendo perseguidos e que deveriam se manter alegres e com esperança, e estando sempre prontos para dizer o motivo dessa alegria, que é Cristo acima de tudo. 

quarta-feira, 4 de novembro de 2015

Nosso Verdadeiro “Irmão mais velho”


Recentemente eu li o livro do pastor Timothy Keller chamado “O Deus Pródigo”. No livro, Keller explora a parábola do filho pródigo e vai alem da mensagem que todos vêem geralmente. De fato, a exploração que ele faz é brilhante e mostra como todo o evangelho esta colocado naquela única parábola.

Jesus mandou matar pessoas na sua frente? (Lucas 19:27)


A desonestidade dos novos ateus é surpreendente. Dessa vez, um único versículo tirado completamente do contexto literário, histórico e religioso é usado para dizer que Jesus estava ordenando que marassem pessoas na frente dele.  Vamos avaliar tudo o que o contexto diz e o que Jesus estava tentando dizer.