quinta-feira, 16 de outubro de 2014

O Problema da Autoridade Cósmica


O problema da autoridade cósmica é um grande problema entre os naturalistas. Mesmo sem nenhum argumento, evidencia ou prova, eles simplesmente não acreditam em Deus, porque se o fizessem, estariam admitindo a existência de uma autoridade acima deles.

O Problema da Autoridade Cósmica


Se o Deus cristão existe, então existem “regras básicas” que o ser humano deveria seguir. Essas regras não são “imposições forçadas” para que todo mundo obedeça ao grande “Deus ditador”. Mas sim regras para a prosperidade humana.
Julian Huxley, falecido ex-lider darwinista, admite que seu ateísmo é por causa do desconforto de uma autoridade cósmica sob seus hábitos sexuais. Ele disse:


“A razão pela qual aceitamos o darwinismo, mesmo sem provas, é que não queríamos que Deus interferisse em nossos hábitos sexuais” [1]











Similarmente, Ron Carlson, após falar dos problemas do darwinismo, perguntou a um professor de biologia o por que dele ainda crer nesse mecanismo. Ele respondeu:

“Bem, para ser honesto com você, Ron, é porque o darwinismo é moralmente confortável.” [2]

Mas o depoimento mais impactante é de Thomas Nagel, um dos filósofos ateus mais influentes da atualidade. Nagel escreveu livros dizendo os problemas do darwinismo e coisas que ele e o ateísmo nunca seriam capazes de explicar. No final, ele admite:


“Eu falo com experiência, estando fortemente com esse medo próprio: Eu quero que o ateísmo seja verdade, e não torna fácil o fato de que algumas das pessoas mais inteligentes e bem informadas que eu conheço sejam crentes religiosos. Não é apenas que eu não acredito em Deus e, naturalmente, espero que esteja certo sobre minha crença. É que eu tenho esperança de que não haja Deus! Eu não quero que Deus exista; Eu não quero que o universo seja desse jeito. Minha opinião é a de que esse problema de autoridade cósmica não é uma condição rara e que é responsável por muito do cientificismo e reducionismo do nosso tempo. Uma das tendências que ele suporta é o uso exagerado da biologia evolucionaria para explicar tudo sobre a vida humana, incluindo tudo sobre a mente humana [...] Essa é uma situação ridícula [...] É tão irracional ser influenciado pela crença de alguém e esperar que Deus não existe quanto pela esperança de que Deus exista.” [3]

O que eu estou dizendo e o que não estou

Não estou dizendo que o darwinismo seja falso ou que o ateismo seja falso por que pessoas vem a crer neles para ter uma vida moralmente confortável. Se estivesse, seria culpado de cometera falácia genética. O que eu estou dizendo é que muita gente não quer que Deus exista, simplesmente porque Ele seria uma autoridade desconfortável. A maioria das pessoas de hoje não quer que haja um Deus que proíbe sexo antes do casamento, “ficar” com 20 pessoas em uma noite, não perdoar pessoas que cometem erros, se entupir de álcool, ir a festas e fazer mil e uma bobagens, mentir pros pais para ir em lugares impróprios, entre diversas outras coisas que tornam um mundo restritamente materialista em algo confortável.
O falecido Christopher Hitchens sempre perguntava “por que Deus se preocupa com nossas atividades sexuais?” nas sessões de Perguntas e Respostas dos debates. Isso reflete sua obsessão por manter esses atos sem ter que dar satisfação a ninguém. E eu conheço muitos ateus (inclusive pessoas próximas) que mesmo se Deus escrevesse em cada átomo do universo “feito por Deus”, eles ainda diriam que “foi o vento”. É muito confortável não ter que dar satisfação a ninguém, não ter que obedecer a nenhuma Lei Moral e fazer bobagem toda a noite. As pessoas querem tanto a liberdade de seus corpos que não percebem que são escravas destes corpos. Não conseguiriam admitir um Deus; não querem que haja um Deus. Não querem dar satisfação ou agradar outra pessoa, deixando muita coisa da própria vida de lado.
Prova desse “medo de religião” são as tentativas absurdas para explicar coisas extremamente improváveis em um mundo naturalista. Por exemplo, o ajuste fino do universo para a existência de vida. Basicamente, muitas das constantes das condições iniciais do Big Bang, das leis da natureza e da física possuem um ajuste preciso para que possa haver vida no universo (até mesmo para a evolução acontecer). Isso deveria ser algum indicio de um designer do cosmos, mas, mesmo sem evidencia ou prova, é preciso teorizar sobre uma infinidade de universos para que “por sorte” nós tenhamos caído no “correto”. O físico Leonard Susskind admitiu que se essa hipótese falhar, então o Design Inteligente é incrivelmente mais provável. Ele diz:


“Eu tenho que dizer que se [a teoria das cordas falhar], como as coisas se mantem agora nós estaremos em uma posição bem estranha. Sem nenhuma explicação para o ajuste fino da natureza nós vamos ser pressionados fortemente para responder as criticas do Design Inteligente. Alguém pode argumentar que a esperança é que uma solução matemática única vai emergir, mas isso é tão a base da fé quanto o [design inteligente]” [4]




Vemos com isso onde o medo da autoridade cósmica pode levar alguém. Mesmo sem evidencias, sem provas e com apenas uma teoria sem base, esses físicos naturalistas vão ao absurdo de dizer que existe uma infinidade de universos apenas para desviar da hipótese do teismo. Não estou dizendo que não existe um multiverso, apenas que não existem nada que de o menor sinal de que há um, e mesmo assim a mídia diz que é certo de que existe ou que existe alguma evidencia disso.
Quero deixar claro também, que o mecanismo darwinista de forma alguma “bane” Deus do universo. Ele pode muito bem ter usado esse método para a criação. No entanto, a idéia de “seleção natural”, o mecanismo natural, é tão atraente para os naturalistas que acaba se tornando desculpa para descartar Deus de vez.
Lee Strobel, que era ateu antes de ver as evidencias fortes para a vida e ressurreição de Jesus, diz:

“Estava mais do que feliz em agarrar-me ao darwinismo como desculpa para descartar a idéia de Deus, de modo que eu pudesse pôr em prática descaradamente a minha agenda de vida, sem restrições morais” [5]





Conclusão

Muitas pessoas, inclusive amigos meus, não acreditam em Deus por medo da autoridade cósmica. Obviamente eu não estou dizendo que todos os ateus são assim, mas boa parte hoje em dia com toda a certeza éMe lembro de quando debati com um amigo, respondi cada argumento dele e suas objeções aos meus. No final ele diz que “não viu respostas”. Ele poderia ter respondido que não achou convincente ou coisa do tipo, mas que “não viu respostas” foi demais. Parecia até que alguém havia “cegado-lhe os olhos e endurecido-lhe o coração, para que não visse com os olhos nem entendesse com o coração, nem se convertesse”.
E você? Seu problema com Deus é emocional ou racional? Para responder essa pergunta, basta responder a outra pergunta de igual valor: Se o cristianismo fosse verdade, você se tornaria cristão?

Fontes

[1] – James Kennedy, “Skeptícs Answered”,  p. 154
[2] – Extraído da fita de áudio intitulada "Reaching Evolutionists" da Conferência de Apologética de 2001 do Soumern Evangelical Seminary. FitaACO 1 08. Disponível on-line em www.impactapologetics.com.
[3] – Thomas Nagel, “The Last Word”, pp. 130–131
[4] – Amanda Gefter em New Scientist, “Is string theory in trouble?”, http://www.newscientist.com/article/mg18825305.800
[5] – Lee Strobel, “Em defesa da fé”, p. 123.

Nenhum comentário:

Postar um comentário